Thiago Varzé lança seu segundo disco

Considerado uma das revelações da nova geração da MPB, o cantor e compositor Thiago Varzé lança seu segundo CD, Tempo de Ser. “O nome reflete a minha necessidade do correr atrás dos sonhos e realizá-los. A ideia também é fazer uma analogia aos temas da atualidade, à necessidade de sermos melhores, mais unidos, conscientes política e ecologicamente, críticos, verdadeiros, mais humanos”, explica Thiago.

Com produção do músico Marcelo Mariano, o disco que traz onze faixas conta com a participação de Paulo Calasans (teclados, pianos), Conrado Goys (guitarras), Thiago Big Rabello (bateria), Marcelo Mariano (baixo), Marcelo Freitas (sax), James Mü (percussões), Wil Trombone (trombone e flauta transversal) e Silvera (backing vocal). “Fiquei muito feliz com o convite do Thiago para produzir esse CD. Ele tem uma alquimia musical que poucos sabem administrar, composições, melodias, harmonias e uma criatividade que agrega todos os profissionais que com ele compartilham música”, diz o produtor Marcelo.

Além disso, o cantor Pedro Mariano faz participação especial na música A Voz do Brasil, que, de acordo com Pedro, revela as contradições do País, suas distorções de valores e a discrepância entre as classes sociais e a corrupção.

Confira um bate-papo com Thiago, que com apenas 6 anos de idade começou a se interessar pela música. Estudou saxofone, violão, canto e técnica vocal. E mesmo com aptidão para a música, se formou em Comunicação e pós-graduou em Gestão de Negócios do Entretenimento pela ESPM. Persistente em todos os campos da vida, hoje cursa a pós-graduação em Canção Popular, pela Faculdade Santa Marcelina.

O RETRATO – Como e quando decidiu que seria cantor?
THIAGO VARZÉ – Acho que foi um processo natural concebido por conta de estar, desde muito pequeno, envolto em um ambiente familiar muito musical. Na verdade, não decidi ser cantor. Comecei a estudar música aos 6 anos em um conservatório. Com 11 anos tocava saxofone, aos 14 tocava violão e me “peguei” cantando as músicas que tocava.

OR – Onde se apresentava no início da carreira?
THIAGO – Assim como a grande maioria dos músicos, a minha grande escola é a vida. Desde os 14 anos tocava na noite de São Paulo e Litoral, em bares, pequenos cafés e posteriormente em algumas casas de show.

OR – Teve o apoio da família?
THIAGO – Sempre! Desde a minha infância eles foram meus maiores incentivadores, me dando, até hoje, todo suporte e condição de me tornar músico. Não perdem um show! São meus fãs mais fiéis! (risos)

OR – Quais instrumentos você toca? E qual você prefere?

THIAGO – Considero que toco violão, guitarra e percussão. O violão, até por conta das composições, é meu fiel escudeiro, melhor amigo e meu “analista”.

OR – O que mais lhe marcou na sua carreira?
THIAGO – Sempre levo de cada lugar que toco, cada pessoa, cada show que faço, uma lição. A maior delas é de ser sempre, aconteça o que acontecer, dedicado e verdadeiro com o público que me prestigia. Um fato que marcou muito minha carreira foi ter o Max Viana como produtor do meu CD Outros Ares, ter podido contar com as participações especiais de Marcos Suzano e Jaques Morelenbaum no meu CD. Além, é claro, de ter conhecido Djavan!

OR – Onde você busca inspiração?
THIAGO – É bem clichê a resposta, mas é a verdadeira! Minha inspiração é a vida em si. O cotidiano, os amores, as dores, os sonhos, as frustrações, as realizações, as pessoas, os lugares, os filmes. Tudo me inspira. Acho que nós “artistas” somos uma espécie de antena de captação de sentidos, sensações, emoções e traduzimos ou codificamos isso em forma de arte.

OR – Como você enxerga o cenário da música brasileira hoje?
THIAGO – Acho que é bom em termos de condição de se produzir a arte. O País cresce, a economia cresce, nunca se produziu tanta música como nesta década. Mas acho que devemos repensar na cultura do Brasil como um todo. O “urgentismo” dos dias de hoje produz, na minha opinião, uma maior falta de senso crítico sobre o que é bom e o que é “enganação midiática” na música e nos valores da sociedade.

OR – Quais são os seus ídolos? Por quê?
THIAGO – Em primeiro lugar Jesus Cristo por proporcionar e ensinar à humanidade a maior de todas as lições de vida: amor ao próximo e caridade. Minha família: meus pais e minha irmã por serem meus verdadeiros pilares de sustentação e construção de caráter. Por serem minha verdade absoluta.

OR – Qual o seu estilo musical preferido?
THIAGO – Independente do “estilo”, gosto de música boa. Feita com verdade. Música sem preconceitos. Mas como brasileiro e apaixonado pela nossa cultura, AMO a Música Popular Brasileira (a verdadeira feita de obras-primas).

OR – O que você costuma ouvir atualmente e o que você ouve sempre?
THIAGO – Ouço sempre Djavan (minha maior e mais clara referência musical). Ultimamente tenho escutado muito as coisas do movimento musical, concebido em Minas Gerais, conhecido como Clube da Esquina. Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes, Flávio Venturini, Toninho Horta, entre tantos outros gênios da nossa música.

OR – Você utiliza redes sociais. O que acha desse novo laço entre o artista e o público geral?
THIAGO – Acho importantíssimo e fundamental. Sinal dos novos tempos! Temos que acompanhar e estar integrado a esta ferramenta. Particularmente adoro esse “poder” de contato próximo entre artista e fã!

OR – O que você espera do futuro?
THIAGO – Pretendo que a música brasileira cresça de forma mais organizada e justa para que todos os artistas, cada um com sua peculiaridade, tenham a chance de poder mostrar suas criações. Existe um “mundo” lá fora sedento, querendo, necessitando e esperando por novas ideias, novos ideais e novas possibilidades.

OR – Você conhece a região do Tatuapé e da Mooca?
THIAGO – Conheço e amo essa região. Moro na Mooca há 29 anos. E confesso: não saio e não mudo daqui!

Informações:
Tempo de Ser – Thiago Varzé
Gravadora: Lado A Music

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *