Sabesp adota dois novos bônus para intensificar economia de água em São Paulo

BRUNO LEITÃO

Na terça-feira, dia 21, o nível do Sistema Cantareira marcava 3,3% de sua capacidade. Coincidência ou não, na mesma data, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) anunciou novas medidas em relação ao bônus concedido nas contas de usuários que economizam água na Capital. Adotado meses atrás, o desconto era aplicado aos usuários que atingissem 20% de redução no consumo. Agora, o Conselho Diretor da Sabesp, responsável pelo abastecimento na Grande São Paulo, aprovou proposta do governo estadual de conceder a redução na conta de água para os que não atingem os 20% ou mais, necessários para obter o atual desconto de 30%. A ideia é que o bônus antigo continue valendo, mas quem conseguir uma economia de 10% a 15%, vai ganhar uma redução de 10% na conta. Se o consumo cair de 15% a 20%, o desconto será de 15%. O próximo passo agora é enviar para a Arsesp (Agência reguladora de Saneamento e Energia), que vai definir a data para as medidas entrarem em vigor. Para o governo estadual, o ideal seria que as novidades começassem a ser praticadas já nas contas de dezembro. Com a crise em situação grave na Cidade, a novidade no bônus teria a intenção de estimular as pessoas que não atingem os 30% (valor atual que concede o desconto) a continuarem a realizar a economia.

O bônus está em vigor nas seguintes cidades: Região Metropolitana de SP – São Paulo, Arujá, Barueri, Biritiba-Mirim, Caieiras, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Diadema, Embu das Artes, Embu-Guaçu, Ferraz de Vasconcelos, Francisco Morato, Franco da Rocha, Itapecerica da Serra, Itapevi, Itaquaquecetuba, Jandira, Mairiporã, Mogi das Cruzes (bairros da divisa), Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Poá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Salesópolis, Santana de Parnaíba, São Bernardo do Campo, Suzano, Taboão da Serra e Vargem Grande Paulista. Região Metropolitana de Campinas e região bragantina: Bragança Paulista, Hortolândia, Itatiba, Joanópolis, Monte Mor, Morungaba, Nazaré Paulista, Paulínia, Pinhalzinho, Piracaia e Vargem. Até o fechamento desta edição, o nível do Sistema Cantareira atingiu a marca de 3,0% da capacidade total do reservatório, menor marca já registrada na história.

Governador fala em terceira cota do ‘volume morto’
Em entrevista concedida à Rádio Jovem Pan no dia 21 de outubro, o governador do Estado, Geraldo Alckmin, falou sobre a crise da água em São Paulo, citou a segunda cota do ‘volume morto’ que, segundo ele, elevará o nível do manancial em 10,8%, e ainda citou uma terceira quantia que pode ser captada depois da utilização dessa quantidade. “Já está tudo pronto, caso seja preciso utilizar a segunda reserva. E existe ainda uma terceira. Ou seja, a população pode ficar tranquila, pois todas as medidas estão sendo tomadas”, disse o governador. De acordo com informações já divulgadas pela Sabesp, a segunda cota seria de aproximadamente 106 bilhões de litros de água. Porém, Alckmin não deu informações de quanto seria a capacidade desta possível terceira captação.

Vale lembrar que o presidente da ANA (Agência Nacional de Águas), Vicente Andreu, se pronunciou durante um debate sobre o tema e alertou a população em caso de acentuação da crise. “Eu acredito que, tecnicamente, será inviável. E, do ponto de vista ambiental, essa água terá problema”, disse. “Se a crise se acentuar, é bom que a população saiba que não haverá alternativa a não ser ir no lodo”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *