Registro de marca, uma providência fundamental

RAGAZZI ADVOCACIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL GENIVAL SILVA SOUZA FILHO

No dia 13 de fevereiro o Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) – órgão responsável pelo registro das marcas e patentes no Brasil – publicou decisão negando o pedido de registro da marca IPhone para a empresa norte-americana Apple Inc. O fundamento para a decisão foi o “tempo”. Outra empresa, a brasileira Gradiente, havia solicitado – e obtido – o registro da mesma marca há seis anos, de forma que para a lei brasileira IPhone é uma marca que pertence à Gradiente.

Todos sabemos que IPhone é uma marca comercializada mundialmente pela Apple, a questão aqui é que cada país tem uma lei específica para proteção de marcas e a lei brasileira de propriedade intelectual determina que o direito sobre a marca será sempre do primeiro que fizer o pedido de registro (desde que atenda a todos os requisitos para sua obtenção). No Estados Unidos, por exemplo, a Apple detém os direitos sobre a mesma marca, mas quando comercializados no Brasil, tais produtos podem sofrer restrições mediante pedido da Gradiente.

O caso da Apple chama atenção pela magnitude das empresas envolvidas e da própria marca IPhone em si, mas essa realidade não é exclusividade das grandes corporações. Milhares de empresas que por mero descuido não registram suas marcas em determinado momento são surpreendidas com ações de outras requerendo indenizações por uso irregular de marca. A cultura da proteção intelectual ainda não é muito difundida no Brasil, mas casos como os da Apple servem para trazer à tona esta nova realidade.

Por mais que não seja tão simples, o procedimento para registro e consequente proteção de marca deve ser realizado pelas empresas. Muitos escritórios de advocacia têm se especializado nesta área e possuem profissionais aptos a conduzir um perfeito processo de registro junto ao INPI, evitando assim que marcas que representam a total identidade de uma empresa sejam perdidas por mero descuido.

Ainda quanto ao caso da Apple, é importante salientar que existe uma categoria de marca intitulada de alto renome que não pode ser registrada, mesmo que haja pedido de sua real detentora. Ocorre que no caso IPhone o INPI entende que à época do pedido da Gradiente a marca ainda não possuía tanto reconhecimento como o que alcançou nos últimos três anos.

Casos como este nos fazem lembrar a importância da marca para o nosso negócio.

Dúvidas devem ser encaminhadas a contato@ragazzi.adv.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *