Prédios devem seguir legislação trabalhista no caso de funcionários próprios

Cada condomínio residencial da cidade de São Paulo possui, em média, sete funcionários. A informação é da empresa de administração condominial Lello, que alerta: os síndicos devem organizar e treinar a equipe de trabalho, além de se atentar para medidas diferenciadas caso os profissionais do prédio forem terceirizados.

Assim como ocorre em qualquer empresa, os funcionários de condomínios são regidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e, por isso, o síndico deve atender a todas as obrigações previstas em lei, como, por exemplo, registros, férias, recolhimento do INSS e do Fundo de Garantia, pagamento do décimo terceiro salário, entre outras.

O síndico deve, a partir dos cargos e funções definidos, fazer um descritivo das tarefas, que contemple um plano de trabalho, treinamentos e avaliações de desempenho. “É importante, ainda, definir um plano de carreira dos funcionários, para que todos tenham expectativas de progredir na ‘empresa’, no caso, o condomínio”, diz José Maria Bamonde, gerente de Relações Humanas da Lello Condomínios.

Além de organizar as atividades, diz Bamonde, o síndico precisa conversar com cada funcionário próprio para orientações e promover reuniões mensais com os profissionais de cada setor, visando corrigir problemas e acertar novos procedimentos de trabalho. É importante, ainda, solicitar ao zelador ou gerente predial um retorno em relação à equipe de trabalho.

O profissional orienta que o síndico promova a cada seis meses uma pesquisa com os moradores para avaliar o desempenho dos funcionários em cada área, além de promover cursos periódicos, de capacitação e motivação, para os profissionais.

No caso de funcionários terceirizados, o síndico deverá expressar, no contrato com a empresa fornecedora dos serviços, como será feita a avaliação do serviço e com qual frequência, estabelecendo, por exemplo, descontos no pagamento caso o nível de satisfação dos moradores seja inferior a 90% de ótimo ou bom em relação à execução do trabalho.

O gerente alerta, ainda, sobre a complexidade e as diferenças na orientação e organização de equipes de condomínios clássicos e dos empreendimentos maiores, com superestruturas que envolvem manobristas, auxiliares de manutenção, assistentes administrativos, gerentes prediais e segurança externa. “É fundamental que o síndico conte com a orientação de empresa especializada em administração para organizar as equipes de funcionários. Cuidar da folha de pagamento de um condomínio é exatamente igual a cuidar da folha de pagamento de uma empresa, especialização e profissionalismo são fundamentais”, conclui Bamonde.

SERVIÇO:
Lello Condomínios – www.lellocondominios.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *