Mudanças climáticas x falta de água

Uma preocupação bastante comum nos dias de hoje, tanto para o consenso científico, quanto para o conhecimento popular, é sobre o aquecimento global, o meio ambiente, a sustentabilidade e a preservação dos recursos naturais finitos, como é o caso da água. Esse é um assunto que merece atenção constante e não somente nos períodos de seca e enchente, proporcionando enormes riscos de uma crise futura. De acordo com a Conferência de Água da ONU (Organização das Nações Unidas), dados apontam que até 2050, a demanda por água pode exceder 40% do que se tem disponível e por energia pressupõe-se um índice de 50%.

Estudos apontam vários impactos socioeconômicos das mudanças climáticas e desde 1990 as organizações encontram-se para discutir o tema e propor soluções. Segundo dados da coluna de Paulo Artaxo do site UOL, “nenhum acordo global de redução de emissões foi assinado, vide as COPs (conferências sobre o clima) de Copenhagen, Durban ou Rio + 20. Por quê?

Diante de um problema desta abrangência, até mesmo uma simples aldeia de índios da Amazônia a esquimós no Polo Norte sofrerão as consequências, por isso precisamos tomar algumas atitudes e reverter esta situação.

Quando cada um dos sete milhões de habitantes em nosso planeta tiver seu carro, geladeira, TV e outros bens de consumo, estaremos todos fritos”, aponta Paulo no site UOL. Tudo isso, porque os países desenvolvidos não irão querer poupar nada ou mudar seu ritmo de vida só para que as demais pessoas que têm fome possam ter acesso à energia e à água.

E enquanto o mundo está preocupado com o término das obras da Copa do Mundo da Fifa no Brasil, cabe à população começar a tomar atitudes viabilizando a economia e o consumo consciente, sempre pensando no próximo.

Uma alternativa é construir organismos multilaterais para gerenciar uma crise que já está ocasionando um aumento de 2 a 5 graus, intensificação das secas, enchentes e a destruição dos ecossistemas como: energia solar e eólica, automóveis elétricos, e que podem ajudar a salvar o nosso querido planeta. Mas enquanto isso ainda não acontece, com mais intensidade, podemos ter algumas simples ações para ajudar como: poupar água e energia aproveitando a luz do dia, usar lâmpadas fluorescentes; trocar sacolinhas de mercados por sacolas retornáveis; compactar o lixo antes de jogar fora; fazer a coleta seletiva e encaminhar os recicláveis para um ponto de coleta sustentável; evitar abrir muito a porta da geladeira e o forno quando os estiver usando; dirigir de maneira econômica, evitando freadas bruscas; consertar vazamentos; regular a temperatura do chuveiro conforme a estação do ano; não jogar lixo no vaso sanitário, entre tantos outros.

Em breve serão cerca de nove a dez bilhões de pessoas no planeta usufruindo dos recursos naturais existentes, por isso cabe a nós tomar uma iniciativa de mudança emergencial, caso contrário as próximas gerações estarão “com os dias contados”. Pense nisso!

Faça a sua parte!
Saiba como evitar o desperdício de água:
- tome banhos curtos e feche o registro ao passar sabonete e xampu;
- não lave a calçada com mangueira. Use a vassoura para limpar o local;
- não lave o carro com a mangueira, use um balde;
- antes de lavar a louça, retire o excesso de comida com a esponja, sem usar água; deixe a torneira fechada ao ensaboar;
- acumule as roupas para utilizar a máquina de lavar na capacidade máxima. Faça o mesmo com a louça;
- deixe a torneira fechada enquanto escova os dentes ou faz a barba;
- muita atenção com vazamentos dentro do imóvel, corrija-os o mais rápido possível.

Alguns exemplos práticos:
- Banho com aquecedor por 15 minutos, por exemplo, consome 135 litros de água em uma casa. Com o registro fechado no ensaboamento e uma duração de 5 minutos, o consumo cai para 45 litros;
- Outra dica importante é na hora de lavar o carro. Prefira usar um balde e um pano em vez da mangueira. Se a lavagem dura 30 minutos e a mangueira fica aberta, o gasto pode chegar a 560 litros. Com o balde, cai para 40 litros;
- Antes de lavar a louça, limpe os restos de comida e feche a torneira: o consumo pode cair de 240 litros para 20 litros. Molhe as plantas à noite e prefira um regador à mangueira, que pode gastar até 190 litros em 10 minutos;

* A água das piscinas montadas para as crianças também pode ser melhor aproveitada: depois do mergulho, use a água para lavar o quintal, por exemplo.

Fontes:
UOL e Planeta Sustentável

One Response to Mudanças climáticas x falta de água

  1. Monique Meira disse:

    Boa tarde,

    Falo em nome do Instituto Brasileiro de Florestas, estamos procurando por pessoas interessadas em REFLORESTAMENTO, temos disponíveis mudas de árvores nativas, várias espécies da região para plantar na SERRA DA CANTAREIRA em São Paulo disponibilizamos as mudas sem custo, não poderão cortar estas árvores. Esta ação faz parte de um projeto de proteção dos nossos rios.
    Estou pedindo a ajuda de várias pessoas, preciso chegar aos proprietários de imóveis desta área.
    Se tiver alguém para indicar agradeço a sua ajuda!

    Obrigada pela atenção

    Abraço

    Monique Meira
    Instituto Brasileiro de Florestas
    Tel: 55-41-30184551
    http://www.ibflorestas.org.br
    plantearvore.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

  face