Integração de ambientes e simplicidade nos acabamentos é tendência em projetos residenciais

Com a ideia de ampliar os espaços, deixando esta residência da década de 1950 confortável e funcional, o arquiteto e designer Fábio Marins, da Marins Arquitetura, conseguiu integrar de forma criativa e original todos os ambientes voltando-os para o jardim.

Sendo assim, o grande portão basculante de vidro da sala de jantar com abertura generosa promove a integração completa com o pátio interno da residência onde o belo jardim cria uma atmosfera campestre, um refúgio que faz os moradores esquecerem o fato de estarem inseridos na grande metrópole paulistana.

No projeto foram preservados detalhes originais da antiga residência, como o madeiramento estrutural do telhado e as paredes de tijolo que ficaram à mostra. Novos elementos foram inseridos contrastando com os antigos, dando um ar contemporâneo sem perder a personalidade e história da antiga morada.

Portas e janelas antigas também foram reaproveitadas em um novo contexto; as janelas se transformaram em molduras para grandes espelhos que, além de ampliarem o ambiente, refletem o verde do jardim, assim como suas venezianas de madeira se transformaram no tampo da mesa de jantar.

Já a edícula original da casa foi demolida para ampliar o jardim e dar lugar a um belo deck de cruzeta de demolição e um ofurô de madeira. Ainda foi feito um pavimento superior onde foram construídas duas suítes. Todas as madeiras retiradas da construção original foram reaproveitadas na escada, bancadas dos banheiros e peças decorativas, assim como os tijolos originais serviram para a construção dos novos cômodos.

O projeto luminotécnico também tem papel importante neste projeto uma vez que busca destacar os detalhes construtivos e decorativos criando uma atmosfera aconchegante quase cenográfica.

Pisos de granilite, concreto e dutos elétricos aparentes, estruturas expostas, pintura sobre reboco rústico, piso e parede de “rachão” são alguns dos materiais que deram um toque especial. Essa simplicidade dos materiais e a forma artesanal como a residência foi construída revelam uma sofisticação despojada, que só com planejamento e ousadia se torna possível.

“Valorizo o simples e criativo. Gosto de preservar elementos originais, trabalhar com materiais naturais e de reúso, reaproveitando objetos e respeitando sempre a história do ambiente”, explica o arquiteto.

SERVIÇO:
Marins Arquitetura
www.marinsarquitetura.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *