Imposto de Renda começa em março

No dia 02 de março terá início o período para entrega da DIRPF (Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda) Exercício 2015/Ano-base 2014 e já foram anunciados os dados para elaborar a declaração esse ano. Para o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos, é interessante que as pessoas se preparem com antecedência para declarar, já procurando e separando os documentos necessários.

“Quanto mais preparado o contribuinte estiver melhor, já que os primeiros dias são os mais interessantes para o envio e isso por dois motivos: quem entrega o material com antecedência receberá sua restituição antes, além disso, em caso de problemas, o contribuinte terá tempo para resolvê-los, evitando a necessidade de realizar uma declaração retificadora, depois do prazo de entrega”, alerta.

Apesar de a Receita não ter liberado o programa para entrega e as novidades para 2015, veja os principais pontos relacionados ao tema selecionados pelo diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos:

Rascunho é grande novidade deste ano
Desde o dia 03 de novembro, a Receita Federal disponibilizou um aplicativo para que o contribuinte já possa começar a elaborar um rascunho da declaração IRPF 2015. Com ele será possível inserir as informações tributárias que possuir, para facilitar a preenchimento do documento. Com isso, a partir de agora, quem declara o imposto de renda poderá preencher a declaração à medida que os fatos acontecerem.

“A novidade é bastante interessante, pois, quem gosta de se anteceder poderá já preencher a declaração com os lançamentos, simulando o preenchimento no programa gerador da declaração IRPF (PGD IRPF 2015), que será liberado para os contribuintes só em março. Lembrando que as informações do Rascunho IRPF poderão ser utilizadas para a declaração de 2015, com uma simples importação de dados”, explica o consultor de imposto de renda da Confirp Consultoria Contábil, Rodrigo Zaparoli de Melo.

O aplicativo da Receita Federal pode ser instalado nos microcomputadores ou nos dispositivos móveis, como smartphones e tablets, por meio do novo APP IRPF. “Essa novidade reforça o que sempre informamos aos nossos clientes, de que a declaração não deve ser feita apenas quando abre o período de entrega, mas sim durante todo o ano, já possibilitando que se tenha uma prévia de qual melhor tipo de declaração a ser enviada e dos dados a serem inseridos”, explica Zaparoli.

Quem está obrigado a declarar
A) Está obrigado a declarar em 2015 quem recebeu rendimentos tributáveis (no ano de 2014) cuja soma foi superior a R$ R$ 26.816,55;
B) Na atividade rural, está “obrigado a declarar” quem obteve receita bruta em valor superior a R$ 134.082,75 (em 2014);
C) Está obrigado a declarar quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00;
D) Está obrigado a declarar quem teve, em 31/12/2014, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00.

Principais documentos para DIRPF 2015 ano-base 2014

1. Rendas
A. Informes de Rendimentos de Instituições Financeiras inclusive corretora de valores;
B. Informes de Rendimentos de Salários, Pró-Labore, Distribuição de Lucros, Aposentadoria, Pensão etc.;
C. Informes de Rendimentos de Aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de jurídicas;
D. Informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de Pensão Alimentícia, Doações, Heranças recebidas no ano, dentre outras;
E. Resumo mensal do livro-caixa com memória de cálculo do Carne Leão;
F. DARFs de Carne Leão.

2. Bens e direitos
A. Documentos comprobatórios de COMPRA E VENDA de bens e direitos.

3. Dívidas e ônus
A. Informações e documentos de dívida e ônus contraídos e/ou pagos no período.

4. Renda variável
A. Controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;
B. DARFs de Renda Variável.
Nota: Indispensável para o cálculo do Imposto de Renda sobre Renda Variável

5. Informações gerais
A. Dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, caso haja;
B. Nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;
C. Endereço atualizado;
D. Cópia da última Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;
E. Atividade profissional exercida atualmente.

6. Pagamentos e doações efetuadas
A. Recibos de Pagamentos ou Informe de Rendimento de plano ou seguro saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);
B. Despesas médicas e Odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional, com indicação do paciente);
C. Comprovantes de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora com a indicação do aluno);
D. Comprovante de pagamento de previdência social e privada (com CNPJ da empresa emissora);
E. Recibos de doações efetuadas;
F. GPS (ano todo) e cópia da carteira profissional de empregado doméstico;
G. Comprovantes oficiais de pagamento a Candidato político ou Partido Político.

Nota: Quando se tratar de declaração conjunta com dependentes (esposa, filhos etc.) também é necessária a apresentação da relação acima referente a eles.

Fonte: Confirp Contabilidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *