Ilha Comprida, a pérola do Atlântico

HUMBERTO ALIPERTI*

Conhecida pela sua biodiversidade e refúgio de espécies marinhas pouco encontradas no litoral sul, sua extensão de aproximadamente 74 km, sem dúvida, deixa uma marca em seus visitantes nos aspectos natureza, qualidade de vida e praias paradisíacas pouco exploradas.

História
Com grande prestígio na Corte de D. Manuel, antes de cair em desgraça e ser degredado. O Mestre Cosme Fernandes Pessoa chega à Ilha do Bom Abrigo, ao sul de Ilha Comprida, na Armada do Espanhol Américo Vespúcio. Explorando a região, o “Bacharel” desembarca em Ilha Comprida, onde é aprisionado pelos índios Tupis.

Ele acaba ganhando a confiança deles e se casa com a filha do cacique. Em 1531, a esquadra de Martim Afonso de Souza chega à Ilha do Bom Abrigo. O navegador português, conhecendo Ilha Comprida, escolhe a Vila de Maratayama ou Vila dos Tupis, para ser a sede da primeira vila. O povoado de Maratayama permaneceu por cerca de 80 anos.

Por volta de 1534, chega à Ilha Comprida um refugiado espanhol, Rui Garcia de Mosquera, que constrói um forte que leva o seu nome, na Ponta de Trincheira, assim chamado pela natureza das operações de piratarias e saques que o aventureiro realizou com o seu amigo “Bacharel”. No início do século XVII, a Coroa Portuguesa divide suas terras através das “Cartas de Sesmarias”.

Novas vilas foram surgindo. Por volta de 1770, é fundada a Vila de Nossa Senhora da Conceição da Marinha. No começo do século XX, a Vila de Pedrinhas começou a ser formada através da pesca e do extrativismo. Em 1938, o território de Ilha Comprida é dividido em 70% para Iguapé (45 Km) e 30% para Cananéia (29 Km). O desenvolvimento imobiliário se dá no início dos anos 1950.

Em 1987, Ilha Comprida é declarada Área de Proteção Ambiental (APA) Estadual. O movimento pela emancipação ganha força em 1990, com um grupo de pessoas buscando melhores condições para a vila. Em 27 de outubro de 1991, o plebiscito dá a vitória com 87% dos votos à emancipação, que é promulgada em 5 de março de 1992, data oficial da fundação do município. Elevada à condição de Estância Balneária em 07 de dezembro do mesmo ano.

Denominações
A Ilha Comprida, ao longo de sua história, recebeu diversas denominações: Ilha do Mar, Ilha do Mar Pequeno, Ilha Grande da Costa do Mar, Ilha do Candapuí e Ilha Branca. Ilha Comprida é como foi batizada por seu extenso comprimento e largura reduzida. Não se tem conhecimento de dados oficiais que detalhem com exatidão a data do batismo.

Como chegar:
Partindo de São Paulo, aproximadamente 200 km pela Rodovia Régis Bittencourt (BR-116) até o trevo de Iguapé, seguindo pela Rodovia Casimiro Teixeira SP-222. Acesso Iguapé-Ilha Comprida via Ponte Prefeito Laércio Ribeiro.

Pontos turísticos e de lazer:
- Trilha Juruvaúva/Pedrinhas
- Trilha Vila Nova/Sítio Arthur
- Trilha Dunas/Juruvaúva
- Trilha de Trincheira
- Maravilha (Mar-Aves-Ilha) da Ponta da Praia
- Mar Pequeno
- Esportes Náuticos
- Pesca Amadora
- Passeios/Barcos/Jeep tour
- Gastronomia
- Triciclos Praianos

Fonte:
Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilha Comprida

* Humberto Aliperti é colunista e mantenedor do site Moto Tour Viagem; presidente do Moto Clube Esquadrão Selvagem; Conselho Diretor da Associação Comercial Distrital Mooca e Membro da Associação Paulista de Imprensa.

O projeto Moto Tour Viagem tem como objetivo atingir o maior número de leitores que gostam de viajar, conhecer novos lugares, passear e apreciar a boa gastronomia.

Visite: www.mototourviagem.com

Apoio e agradecimentos:
· Pousada Paraíso da Ilha
www.paraisodailha.com.br

· Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Ilha Comprida
www.ilhacomprida.sp.gov.br

· TV Geração Z
www.tvgeracaoz.com.br

· Associação Paulista de Imprensa (API)
www.api.org.br

Tainha espalmada com farofa de camarão

(Acompanham legumes e arroz branco)

Rendimento: 4 porções

Ingredientes para o peixe:
- 1 ½ kg de tainha
- Suco de limão
- Sal

Modo de preparo do peixe:
Com uma faca fina, abra o peixe até que forme um pedaço totalmente espalmado, formando um filé grande. Tempere o peixe com sal e limão e deixe descansar por 30 minutos. Após isso, asse no forno o peixe em temperatura mediana. Quando pronto, monte em uma bandeja o peixe com farofa e legumes.

Ingredientes para a farofa:
- 1 ½ xícara (chá) de farinha de mandioca
- 300g de camarão sete barbas limpo
- 1 unidade de cebola picada
- 2 dentes de alho picados
- Salsinha e cebolinha picadas
- Azeite de oliva

Modo de preparo da farofa:
Limpe e escalde os camarões em água fervente e reserve-os. Em uma panela junte todos os ingredientes menos a farofa e o camarão, refogue-os em fogo baixo. Em seguida, junte os camarões e a farofa ainda em fogo baixo, mexendo bem para não deixar queimar. Em seguida monte junto ao peixe e legumes.

SERVIÇO:
Restaurante O Portuga
Av. Beira-Mar, 13050
Balneário Boqueirão
Ilha Comprida – SP
Tels.: (13) 3842-4129/3842-1013

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

  face