Desafie seus conhecimentos na Língua Portuguesa

TEREZINHA BELLOTE CHAMAN*

Saber falar de forma correta o português é fundamental para qualquer estudante, profissional ou cidadão brasileiro. Pensando nisso, o jornal O Retrato traz esta coluna para que você possa verificar como está o seu nível de conhecimento. Boa sorte!

1 – Utilize de forma adequada, nas frases abaixo: posso e poço.

Tirar água do _____? Não _____.

Ou então:

Não _____ tirar água do _____.

Como fica?

 

2 – As pessoas têm o hábito de chamá-lo pelo seu _____?

a ( ) cog-nome;

b ( ) cognome;

c ( ) coguinome.

 

3 – Sua atitude é digna de uma _____. Não cometa mais esse ato delituoso.

a ( ) reprensão;

b ( ) repreenção;

c ( ) reprenção;

d ( ) repreensão.

 

4 – O ladrão é um _____ da lei e da ordem.

a ( ) trans gressor;

b ( ) transgreçor;

c ( ) transgressor;

d ( ) transgresor.

 

5 – A polícia tem feito um patrulhamento _____ no centro da cidade.

a ( ) intensivo;

b ( ) ostensivo;

c ( ) extensivo.

 

6 – Evandro fez uma _____. Todo o domingo, chova ou _____ sol, ele _____ ao futebol.

a ( ) promeça – fassa – asiste;

b ( ) promessa – faça – assiste;

c ( ) promesa – fasa – aciste.

 

7 – Estou tão feliz que desejo _____, _____ todo mundo!

a ( ) enlaçar – abraçar;

b ( ) enlassar – abrassar;

c ( ) enlasar – abrasar.

 

8 – Aquele camarada estava _____. Arrancou as calças e pisou em cima.

a ( ) pocesso;

b ( ) poceço;

c ( ) posesso;

d ( ) possesso.

 

9 – Dizem que o “Chef” faz uma _____ na cozinha!

a ( ) misselânea;

b ( ) miscelânea;

c ( ) micelânea;

d ( ) miselânea.

 

10 – Ele é um camarada muito _____.

a ( ) minuciozo;

b ( ) minussioso;

c ( ) minucioso;

d ( ) minusiozo.

 

Respostas:
Resp. 1.: Tirar água do poço? Não posso.
Ou então:
Não posso tirar água do poço.

Resp. 2.: b – As pessoas têm o hábito de chamá-lo pelo seu cognome?
Cognome (= apelido, alcunha).

Resp. 3.: d – Sua atitude é digna de uma repreensão. Não cometa mais esse ato delituoso.
Repreensão (= reprimenda, censura).
Delituoso (= fraudulento).

Resp. 4.: c – O ladrão é um transgressor da lei e da ordem.
Transgressor (= infrator).

Resp. 5.: a – A polícia tem feito um patrulhamento intensivo no centro da cidade.
Intensivo (= intenso, ativo, frequente).
Ostensivo (= patente, manifesto).
Extensivo (= que se estende, que dilata).

Resp. 6.: b – Evandro, fez uma promessa. Todo o domingo, chova ou faça sol, ele assiste ao futebol.
Promessa (= voto, juramento).

Resp. 7.: a – Estou tão feliz que desejo enlaçar, abraçar todo mundo!
Enlaçar ou abraçar (= prender nos braços).

Resp. 8.: d – Aquele camarada estava possesso. Arrancou as calças e pisou em cima.
Possesso (= irritado, encolerizado).

Resp. 9.: b – Dizem que o “Chef” faz uma miscelânea na cozinha!
Miscelânea (= mistura de várias coisas).

Resp. 10.: c – Ele é um camarada muito minucioso.
Minucioso (= detalhista, meticuloso).

*Terezinha Bellote Chaman é professora de Língua Portuguesa, com especialização em Linguística de Texto pela UNESP Araraquara. Mestre em Comunicação pela UNESP de Bauru – SP, Doutoranda em Serviço Social pela UNESP de Franca – SP, Jornalista e produtora do quadro Teste o seu Português, Programa Mestre-Cuca durante 14 anos na ex-Rede Mulher de TV e posteriormente Central Nacional de Televisão (CNT). Atuou no programa Delícias do Chef, na TV Gazeta, até agosto de 2012.

“Ame a vida, pois nascemos para amar… e se alguém, um dia, lhe perguntar o que fez da vida, diga apenas: eu amei!”.

Escrever bem é um hábito que se aprende lendo e ouvindo, por isso a professora Terezinha incentiva a prática da leitura. Desta vez, ela traz uma reflexão, abordando alguns questionamentos como: O quanto você ama seu marido? O quanto você ama a sua esposa? Para muitos, essa resposta com certeza está na ponta da língua. Talvez, para outros seja difícil uma resposta imediata. Haverá outros ainda que responderão o que vier à cabeça. Confira!

Um casal tomava café no dia das suas bodas de ouro. A mulher passou a manteiga na casca do pão e deu para o seu marido, ficando com o miolo. Pensou ela: “Sempre quis comer a melhor parte do pão, mas amo demais meu marido e, por 50 anos, sempre lhe dei o miolo. Mas hoje quis satisfazer o meu desejo”. Para sua imediata surpresa, o rosto do marido abriu-se num sorriso sem fim e ele lhe disse:

– Muito obrigado por este presente, meu amor. Durante 50 anos, sempre quis comer a casca do pão, mas como você sempre gostou tanto dela, eu jamais ousei pedir!

Assim é a vida… Muitas vezes, nosso julgamento sobre a felicidade alheia pode ser responsável pela nossa infelicidade. Diálogo e franqueza, com delicadeza sempre, são o melhor remédio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *